4 de outubro de 2008

revolto

menino viu
coqueiro inclinado para o mar
como ele também era
pensou que por isso
fosse um bom chão de jangada
e porta vela
e o menino e o coqueiro se jogaram
um por cima do outro
os dois por cima do mar
mas o mar se sacudia
jogava os dois de volta pra cima da terra

o menino chamou de revolto o mar
o mar respondeu que revolto era o menino
com seu destino
que se fosse do mar seria marujo
mas como era do ar seria araújo

e alguém acaba de nascer pro que é

o coqueiro até que sabia
mas não perderia esse banho
o coqueiro era mais inclinado a banho
que a existencialismo

2 comentários:

Tata disse...

Eita, que esse escrito fala mais de você que do mar.
O mistério do mar em cada um de nós.

Tá lindo, moço do ar, passarinho alado.

Ah, Daniel era para estar nas covinhas das leoas mesmo. E viva o Legião!

Beijo, passarinho.
=*

Tata disse...

Mais poemaaaaaas!!! Cadê mais poemas?

:):)